Pesquisar este blog

14 de out de 2012

MÃE

MÃE 

Estranho não ter saudades tuas.
Penso que seu Amor por mim foi completo.
Silencioso, mas completo.
Amor de Mãe.
Aquele Amor que nem sempre os filhos percebem.
Mas sentem e são preenchidos totalmente.

Até eu mesma me tornar Mãe, não sabia que você me amava.
Éramos tantos filhos ao teu redor.
Éramos tantos corações famintos de teu Amor.
Mas seu coração abraçou todos nós.
Hoje eu sei...

Mas teve uma época em que não soube de seu Amor.
Foi numa época tão conturbada de minha vida.
Mas também foi uma época muito estranha na tua vida.
A família grande, os festejos, os netos chegando.
Grandes e profundas mudanças acontecendo no seio familiar.
E me perdi na adolescência. Me confundi na adolescência.
Mas não se confundem todas as adolescentes?

Havia um turbilhão de implicações e explicações não ditas.
Por que você preferia o silêncio. Era uma mulher de oração.
E eu cresci tão silenciosa quanto o seu silêncio diário.
Nunca, em tempo algum conversávamos.
Por que? O que te incomodava tanto?
Eu segui outro caminho religioso, teria sido esse o meu pecado?
Não acredito. Me surpreendia as tuas atitudes tão liberais.

Assim eu via você, silenciosa, sempre pensativa.
Hoje penso que rezavas por todos nós, seus filhos.
Hoje eu sei que o seu coração sabia ser o seu Amor invisível.
Por isso tu rezavas. Dia e noite.
Por tua própria vida passada, tumultuada, corajosa.
Por tua própria Mãe, também silenciosa e que vivia em oração.

Depois que me tornei Mãe, meu coração ainda custou a te entender.
Ficou até mesmo um pouco mais confuso.
Por que minha pequena filha era como um diamante muito raro herdado.
E eu precisava cuidar daquele diamante da melhor forma que podia.

E as diferenças surgiram. Gritavam dia após dia dentro de mim.
Eu abraçava tanto minha filha como um dia fui muito abraçada por você.
Na minha infância, você esteve muito presente.
Enquanto eu estive muito ausente brincando pela rua.

Na adolescência eu precisei de ti mais do que o ar que respirava.
Não te encontrava e ficava sem ar.
E assim passei toda a minha adolescência...
Dividida entre o teu silêncio e a minha reclusão.
Levei esse drama para todos os meus relacionamentos.
Buscava você em todas as pessoas que cruzaram o meu caminho.

E você envelheceu docemente, sofridamente também sem o teu Amor maior.
Seu companheiro se foi desse mundo te deixando só com todas essas vidas...
Todos aqueles corações famintos de teu Amor.
Mas agora, teu coração estava sofrendo.
Achei que não sobreviverias. Mais uma vez você me surpreendeu.
Não apenas sobreviveu, mas se tornou mais silenciosa ainda.
Temerosa da própria vida.

E decidi então, que já era hora de conversarmos.
Mas a fragilidade de tua idade avançada me travou.
Certos assuntos te fariam sofrer, certamente.
E isso eu não gostaria mais de te causar.
Bastou o meu próprio sofrimento.
Bastou o nosso próprio sofrimento.

E os anos foram passando e quis saber mais de você.
Mas você nunca contou os fatos reais de tua vida.
Apenas coisas de fácil digestão para todos nós.
Tua vida foi complicada, minha Mãe.
E mesmo assim, ficasse firme até o final.
Não reclamava de nada. Não se enfadava com nada.

Tão diferente de mim que cresci tão desesperada.
Precisava de tua firmeza, de teu ar. Mas você continuou silenciosa.
Não sabias conversar prosas profundas.
Guardavas os segredos de tua vida a sete chaves.
Enquanto eu sentia necessidade de espalhar toda a minha vida aos quatro ventos.
Tempos diferentes, cabeças diferentes, épocas conturbadas.

Na tua velhice eu meu aproximei mais de você.
Muito mesmo. Mas não sabia que eu teria muitas questões a resolver.
Me preparei para tua partida.
Tentei ser o mais forte possível para ficar a teu lado.
Mas não consegui.
Queria ter ficado ao seu lado até o seu último suspiro nesse planeta.
Mas não consegui.

E, diferentemente de nosso grande Amor, seu esposo, meu Pai,
Tu partistes e nunca mais voltastes, nem em meus sonhos.
Eu sabia que reconhecerias o temor dentro de mim.
Eu sabia que não se aproximarias de mim nem depois de tua morte.
E no fundo te agradeço por isso.
Teu silêncio me deu respostas a muitas coisas.
Mas teu silêncio pesou e doeu muito também.

Eu te perdoo por qualquer silêncio, discrição e oração.
Eu me perdoo por não ter conseguido chegar até você.
Eu me perdoo pelo meu silêncio também.
Mas quero que saiba que eu te amei.
Quero que saibas que agora eu sinto o teu Amor.
Eu sinto o teu Amor hoje, na infância, na adolescência e por todo o sempre.

Que você possa se reconciliar com tua Mãe no céu.
Que possamos nos reconciliar, eu e você.
Que possamos nos reconciliar, eu e todos os seus filhos.
Que possamos nos reconciliar, eu, você e seu esposo.
Que possamos nos reconciliar hoje e sempre.
Por que Amor de Mãe é eterno. E você foi e sempre será minha MÃE.

Eu te amo, eu te amo, eu te amo.
Eu sinto muito, eu sinto muito, eu sinto muito.
Me perdoe, me perdoe, me perdoe.

Muito obrigada, muito obrigada, muito obrigada.

0 Comments: