Pesquisar este blog

27 de mai de 2008

Hoje é tudo que temos. Fiz um poema sobre o dia de hoje.

Today,
Whenever I look at that window,
I see your eyes;
And I feel them touching mine;
These eyes of mine that are crying.
I am missing you, your body.
I am missing your hands that used
To touch me.
Missing your lips, that one day,
Kissed me.
How I miss it...

Today,
I miss you all;
And that was a time when
Everything was quiet and peaceful;
When we used to live for each other.

Today,
I remember,
You and I, at night...
Time does not come back anymore;
Our voices, and our silence;
It was a simple love, na easy love,
A beautiful love. Our love.
And I loved you as I could.

Today,
I am lost in the space;
In the place where our feet
Walked by, someday...
I am lost in memories of what
We used to be.

Today,
I wonder what we had talked about,
Shared and loved together.
Why did we give each other up?
I don’t know. We gave up loving.
And just loving.

Today,
I understand you more than ever, my love;
My body is tired. It is really tired of
Shaking, shivering.
My mind does not have you anymore...
It is exhausted tooo.
But now, Today, you are not here.
Just when I got my freedom and happiness
To remind you of my love.
To remember you.

Today,
How I wanted you here,
Inside that window.
Today...
(By Eve)

Photobucket

Edson Marques fala sobre a mudança interior e exterior: ambas se completam.

Chegou um e-mail com o texto abaixo dizendo ser de autoria de minha admirada e querida Clarice Lispector. Porém, hoje recebi o -email do autor do texto, Edson Marques (http://mude.blogspot.com/) esclarecendo-me do engano.

Obrigada, Edson, isto me serviu principalmente para não aceitar como verdadeiro tudo que nos chega pela Internet e e-mails. Sei que deveria ter checado antes, mas com a correria do dia-a-dia, aconteceu isso... Corrigido o erro, só me resta dizer que o texto abaixo é muito lindo, e que visitei o seu site e o incluirei na listinha daqueles que gosto de visitar.

"Mude. Mas comece devagar. Porque a direção é mais importante que a velocidade. Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa. Mais tarde, mude de mesa. Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua. Depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente, observando com atenção os lugares por onde você passa. Tome outros ônibus. Mude por uns tempos o estilo das roupas. Dê os seus sapatos velhos. Procure andar descalço... Tire uma tarde inteira para passear livremente na praia, Ou no parque, e ouvir o canto dos passarinhos. Veja o mundo de outras perspectivas. Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda. Durma no outro lado da cama... Depois, procure dormir em outras camas. Assista a outros programas de TV, compre outros jornais... leia outros livros, viva outros romances. Não faça do hábito um estilo de vida. Ame a novidade. Durma mais tarde. Durma mais cedo. Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua. Corrija a postura. Coma um pouco menos, escolha comidas diferentes, novos temperos, novas cores, novas delícias. Tente o novo todo dia. O novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, o novo amor, a nova vida. Tente. Busque novos amigos. Tente novos amores. Faça novas relações. Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes, tome outro tipo de bebida, compre pão em outra padaria. Almoce mais cedo, jante mais tarde ou vice-versa. Escolha outro mercado... Outra marca de sabonete, outro creme dental... tome banho em novos horários. Use canetas de outras cores. Vá passear em outros lugares. Ame muito, cada vez mais, de modos diferentes. Troque de bolsa, de carteira, de malas, troque de carro, compre novos óculos, escreva outras poesias. Abra conta em outro banco. Vá a outros cinemas, Outros cabeleireiros, outros teatros, visite novos museus. Mude. Lembre-se de que a vida é uma só. Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as. Seja criativo. Experimente coisas novas. Troque novamente. Mude, de novo. Experimente outra vez. Você certamente conhecerá coisas melhores e coisas piores do que as já conhecidas, mas não é isso o que importa. O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia. Só o que está morto não muda!"

(Edson Marques)

26 de mai de 2008

A Felicidade, segundo Fernando Pessoa, está em valorizar a vida.

Hoje foi o dia de receber muitos e-mails lindos. Eu adoro quando isso acontece, pois significa que posso postar aqui e compartilhar preciosas pérolas com todos.

Esse texto é do Fernando Pessoa - outro poeta maravilhoso. Vale meditar em suas palavras abaixo.

A felicidade exige valentia.

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes mas, não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e posso evitar que ela vá à falência.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios,incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dosproblemas e se tornar um autor da própria história.

É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis norecôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não termedo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?

Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."
Fernando Pessoa - 70º aniversário da sua morte

Photobucket

Os nossos medos de cada dia. Eu sou medrosa, muito medrosa...

Recebi esse texto hoje e achei muito legal. Fala sobre o medo. Eu tenho muito medo e vocês?

"Você tem medo de quê?
De dizer não para aquela pessoa querida mesmo sabendo que o sim significa problemas no futuro?

Você tem medo de quê?
De admitir que se enganou com uma pessoa, que errou na dose do sentimentalismo e fechou os olhos para a realidade que todos viam?
Aceitar que o fim de um relacionamento já chegou há muito tempo e você, só você insiste em manter as aparências?
Você tem medo de quê?
De falar para a família e os verdadeiros amigos o quanto os ama e, por isso, fica calado imaginando que todo mundo sabe disso?
De perder o emprego medíocre e, por isso, se submete a tirania de um local que você não se sente bem?
Você tem medo de quê?
De aceitar que seu atual estado é reflexo apenas dos seus atos, das suas atitudes, algumas vezes impensadas e feitas de pura ansiedade...
Você tem medo de quê?
De sair da capa de vítima e encarar de frente seus sonhos, suas necessidades e descobrir que pode realizá-los?
De questionar velhos conceitos e mudar tudo para viver melhor?
Você tem medo de quê?
De aceitar que Deus existe e que nos pede ação sempre, trabalho sempre, boa vontade sempre, perdão sempre, amor sempre.

Não tenha medo de ser feliz, arrisque-se, aventure-se.
Caiu? Levante-se.

Errou? Comece de novo.
Perdoe sempre.
Esqueça o que passou, construa o hoje, viva o hoje.
Ame-se sempre!"
(Paulo Roberto Gaefke)


Photobucket